Ópera bufa

Edição: 364 Publicado por: Gustavo Abruzzini em 24/10/2013 as 09:13

 
Leitura sugerida

Na semana que passou as notas desabafo, nesta coluna, me renderam muitos elogios, alguns ataques e ameaças de rompimento. O resumo da ópera se deu por conta de vereador que usa a tribuna da Câmara para reclamar do jornal, quando, a meu ver, ele deveria reclamar da rádio sua natural parceira.

 

Cobertura

Entendo que antes de reclamar do jornal, os vereadores deveriam é agradecê-lo, pois independente do contrato publicitário, suspenso pela atual mesa administrativa, por motivo de “economia” e no qual recebíamos a exata e justa quantia de R$ 980, mantivemos a cobertura semanal das reuniões por entendermos que as mesmas são do interesse da população. E assim o faremos com total independência. Ou seja, não venham nos pautar. Quer aparecer? Passe em nosso departamento comercial ou recorra à rádio, ora!

 

Enterrando

Valença é uma cidade digna do Guiness Book. Provavelmente é o município que mais e melhor enterra dinheiro público. Senão vejamos, o Estado, no começo deste século, investiu no projeto defendido pelo então vereador Cyro Guimarães e Valença construiu uma usina de reciclagem de lixo, lá em Chacrinha. Nunca funcionou como tal.

 

Enterrando II

Em seguida, no governo de Luiz Antônio, quando o secretário estadual de Meio Ambiente era seu filho, o deputado André Corrêa, Valença ganhou mais uma usina de reciclagem de lixo para Conservatória e duas estações de tratamento de esgoto, os pinicões azuis, um para Pentagna e outro para Conservatória. Segundo consta, nunca funcionaram. Aliás é preciso que autoridades do distrito informem que destino foi dado à usina de reciclagem de lixo de Conservatória.

 

Enterrando III

Agora, Vicente Guedes obteve do governo Federal um conjunto de sinaleiras de trânsito que o atual governo chegou a colocar para funcionar, mas, ao que parece, já desistiu. Governo que, por sinal, pegou a Prefeitura com uma coleta de lixo de R$ 143 mil mensais e a elevou para patamares nunca alcançados. Um novo recorde

 

Enterrando de vez

Então, das duas uma, ou nós somos uma comunidade de incompetentes ou de brincalhões, coveiros de dinheiro público.

 

Lápide

E isto sem falar na rua do Cemitério, em Conservatória e na rua do bairro de Osório onde havia três placas indicando três recursos federais diferentes, e que, aparentemente, nem a quarta parte foi aplicada no mal-acabado logradouro. Ao que parece, a fortuna prevista pelas placas, ali não jazem! Ficaram pelo caminho.

 

E o que é pior

Outro absurdo valenciano é ouvir nossos nobres vereadores dizerem que, com relação à Cedae, nada puderam fazer, pois tal matéria não passou pela Câmara. Então, quer dizer que só fiscalizam, só se posicionam e só agem a partir de tal premissa? Cara de pau, por cara de pau, Pilatos, ao menos, era romano, não representava o povo judeu, por isso “lavou suas mãos”, o que tentam fazer certos vereadores com a água da Cedae, entubada no desprotegido e sem representação, neste assunto, povo valenciano.

 

Desinformado

É provável que vereadores e secretários municipais venham dizer que estou desinformado. É verdade, tanto uns quanto os outros, pouco ou nada informam mesmo. Então, o que querem?

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes. Assine já e tenha acesso ao conteúdo na íntegra!

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...