O país dos jovens [Contando história]

Edição: 365 Publicado por: Ney Fernandes em 31/10/2013 as 09:21

 
Leitura sugerida

Em Dimona, país do Oriente, os jovens julgando-se cansados de obedecer ordens e cumprir regras, já estabelecidas, depois de muito discutir, dias e mais dias os problemas que afetavam seu comportamento na sua sociedade, concluíram, com certa severidade, que a solução era exterminar com todos os idosos, para estabelecer, aí sim, uma nova ordem de comportamento. E assim foi feito, todos os idosos foram sacrificados. Para comemorar aquela façanha, os jovens resolveram realizar uma grande festa, convidando todos os países vizinhos. Compareceram todos os convidados e, na festa, o assunto girou, todo o tempo, sobre o acontecimento: um país só de jovens que poderia ter um grande futuro. Era uma euforia geral, até dos próprios visitantes. Ayub, principal autoridade em Lahore, alimentou a discussão e dizia: “Olhem para os jovens de Dimona, eles estão dando um grande exemplo para o nosso mundo. Eles derrubaram um poder envelhecido, arcaico, ultrapassado, com o tempo. Um país que, segundo ele, já beirava a conflitos, caminhando para uma divisão interna”. Ayub continuava a alimentar a vaidade dos jovens governantes de Dimona: “Esses jovens, cheios de entusiasmo por uma nova vida”, [que era o que pensavam] deslumbravam-se com Ayub. De repente fez-se um silêncio total e Ayub mais uma vez disse para todos: “Chegou o momento de falarmos das coisas de Estado, para nos encontrarmos num futuro próximo sem necessidade de guerras e sem necessidade de invasões é só cumprirmos o que o direito estabelece. Todos os países presentes, então, começaram a exigir parte do território de Dimona. As melhores terras, as terras mais férteis, o que reduziria Dimona a um país insignificante, mas Nazim, que também era um jovem, havia escondido seu pai, pelo amor que tinha por ele e preservando, assim, sua vida. Relatou a ele tudo que havia se passado na festa e as exigências dos países vizinhos. Niazim, pai de Nazim, então falou: “Escuta, meu filho! Esses países quiseram nossas terras porque são as mais férteis e estão aproveitando dessa oportunidade de estarem diante de um país só de jovens que ainda não conhecem sua própria história para fazerem cobranças daquilo que não lhes pertence. Volte lá e diga que eles podem continuar exigindo partes do território de Dimona a que eles dizem que tem direitos, mas que vocês só podem fazer a entrega das terras exigidas depois que cada país, devolver a Corda de Areia [artifício criado por Niazim], que é por todos devida. Ayub, que se assustou, chamou os representantes dos outros países e disse: “A festa para nós acabou e vamos todos embora porque não estamos num país só de jovens, aqui também tem idosos que conhecem toda a história de nossos povos”. Feliz foi Nazim que soube preservar a vida de seu pai Niazim e assim manter intacto o território de Dimona. Cada idade tem a sua juventude. Com a experiência e sabedoria. (História contada, que sobreviveu no tempo).

1 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...
avatar

roberto garcia de souza em 05/11/2013 às 20:48 disse:

...nem a juventude sabe o que pode,nem a velhice pode o que sabe... Saramago
responder O comentário não representa a opinião do jornal! A responsabilidade é do autor da mensagem!
avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...