Chinezinho

Edição: 366 Publicado por: Gustavo Abruzzini em 07/11/2013 as 09:39

 
Leitura sugerida

Continua a novela Chinezinho. Depois que os vereadores entraram com emenda propondo o fatiamento do imóvel da antiga Ferreira Guimarães, no alto da Aparecida, que o Estado adquiriu e deu para Valença, articulado no projeto da empresa, o prefeito deve retirar a matéria.

 

Marcha à ré

O debate se estende timidamente pelas ruas de Valença. Alguns concordam com os vereadores e consideram o espaço excessivo. Outros entendem que toda empresa precisa de margens de ampliação e pátios para manobra. Ou será que, caso vingue a ideia dos vereadores, as carretas vão sair de marcha à ré?

 

Caroço

Por outro lado, mantém-se no ar o estranhamento. Por que somente com esta empresa, os vereadores implicam ou desacreditam de suas intenções e projetos, já que nada contestaram das outras que receberam terrenos doados da Prefeitura como foi o caso da Metalúrgica Valença e da DFV no bairro Canteiro, assim como da grandiosa Indústria de Plásticos Valença no Parque de Exposições? Está na cara que, no popular, tem caroço neste angu.

 

Apelo

E teria sido do deputado estadual, André Corrêa o apelo para que o prefeito retirasse o projeto de Lei de cessão da área. Em contato com a redação, o líder do governo Cabral renovou seu apelo aos vereadores Naldo, Fábio Antônio, Celsinho e Braz para que revejam suas posições quanto ao tema já que, para ele, a emenda inviabiliza o projeto da empresa para Valença. “Diversas outras empresas tiveram, corretamente, a cessão de terreno pela Prefeitura, como no antigo Parque de Exposições e em Barão de Juparanã”, ressaltou.

 

Vergonha

E por falar na Câmara de Valença, tem chamado a atenção, de quem assiste as reuniões, ao vivo ou pela internet, a excessiva convocação de reuniões secretas. É um tal de interromper a sessão por cinco minutos para realização de reuniões internas, de gabinete, longe dos olhos e dos ouvidos da assistência. Para que, para combinar votações? Será que esta atitude faz parte do pacote de transparência que nossos políticos nos vendem na época das eleições?

 

Fartos

Os moradores dos bairros Dona Angelina e Nossa Senhora da Glória que ficam na parte elevada atrás do Hospital Escola cansaram. Partiram para elaboração de um abaixo-assinado em que denunciam que, apesar do alto IPTU da área, o poder público não se faz presente nas ruas dos bairros. Segundo o documento, os moradores têm convivido com despejo de entulho, animais soltos, calçadas tomadas de lixo e obra dentre outras mazelas.

 

Livros

A sexta-feira (08), desta semana, reserva dois lançamentos literários. Como parte do evento Feira Integrada “Juntaí!” do Colégio Sagrado Coração de Jesus, Christiane Guimarães Pançardes da Silva lança o livro “Colégio Sagrado Coração de Jesus – Missão Pedagógica, Social e Religiosa em Valença (Década de 1950)”. No mesmo local, às 10 horas, Victor S Gomez, lança, por sua vez, o livro de contos “Universo Interior”.

 

Terceirização

À noite, às 20 horas, a sexta-feira ainda reserva importante evento organizado pela Associação Comercial e Industrial de Valença. “A Terceirização, caminhos e descaminhos” é o tema da palestra que será proferida pela deputada estadual Graça Pereira, pelo desembargador do TRT Leonardo Dias Borges e pela advogada e professora de Direito do Trabalho Janaína Paes. O evento será realizado no Salão de Convenções da Pousada Arara (Rodovia Benjamin Ielpo, 27.317).

 

Lixo

A atual empresa de lixo, apesar do rechonchudo contrato com a Prefeitura tem se apresentado muito aquém de sua antecessora. Quem nos fez o alerta foram moradores do bairro Laranjeiras incomodados com a metodologia que junta montanhas de lixo antecipando-se à passagem do caminhão. Segundo eles, as montanhas chegam a invadir um dos lados da rua bloqueando a passagem dos carros. Nesta terça-feira (05), este colunista flagrou a prática nas imediações das ruas Silva Jardim e Tanguara por volta das 13 horas e deu razão aos moradores.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...