Agricultor, você sabe o que são defensivos alternativos?

Edição: 440 Publicado por: Alba Regina Pereira Rodrigues em 22/04/2015 as 10:46

 
Leitura sugerida

São produtos preparados a partir de substâncias não prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente, destinados a auxiliar no controle de pragas e doenças da agricultura. A tecnologia dos defensivos alternativos deve ser utilizada como uma ferramenta para uma agricultura ecológica e produtora de alimentos sadios e saudáveis.

Devido à sua inocuidade alguns defensivos alternativos são classificados na classe toxicológica IV (poucos tóxicos), e suas embalagens se apresentam com rótulos verdes.

A maioria das receitas dos extratos vegetais usados como defensivos alternativos são de conhecimento popular, que depois foram validadas por instituições de pesquisa.

Para saber se o uso de determinado defensivo alternativo é permitido em sistemas orgânicos, consulte a Instrução Normativa 46/11 do MAPA, bem como a sua certificadora.

Onde posso comprar Defensivos Alternativos?

Os produtos comerciais identificados como defensivos alternativos, se registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), podem ser encontrados nas lojas de produtos agropecuários em todo o território nacional.

Receitas de calda e extratos de preparo caseiro

Calda Bordalesa

É uma suspensão coloidal, de cor azul celeste, obtida pela mistura de uma solução de sulfato de cobre com uma suspensão de cal virgem ou hidratada. Apresenta efeito fungicida.

● Ingredientes: (Para preparar 100 litros de calda a 1%) - 1 kg de sulfato de cobre em pedra moída ou socada; - 1 kg de cal virgem; - 100 litros de água.

Modo de preparo: O sulfato de cobre deve ser colocado em um saco de pano poroso, deixando imerso em 50 litros de água por 24 horas, para que ocorra total dissolução dos cristais. Em outro vasilhame procede-se a queima ou extinção da cal em pequeno volume de água; à medida que a cal reagir, vai-se acrescentando mais água até completar 50 litros. Em um terceiro recipiente de cimento-amianto ou plástico, devem ser misturados vigorosamente os dois componentes ou acrescentar-se o leite de cal à solução de sulfato de cobre, aos poucos, agitando fortemente com um pedaço de madeira. Após o preparo da calda deve-se medir o pH da calda, através de peagômetro. A reação deve ser neutra ou, de preferência, levemente alcalina. É necessário coar antes das pulverizações.

Extratos de Plantas

Alho (Allium sativum L.)

● Ingredientes: - 100 g de dentes de alho picado; - 250 mL de álcool.

Modo de preparo: Adicionar 100 g de alho picado ou amassado em 250 mL (1/4 de litro) de álcool e deixar por 24 horas em descanso. Após, coar em gaze e guardar o extrato puro, para uso posterior.

Para fazer pulverizações foliares visando o controle de pulgões e lagartas é necessário diluir o extrato em água da seguinte forma: colocar 100 mL do extrato puro em 1 litro de água e acrescentar 10 mL de detergente neutro. Agora o extrato está pronto para fazer as pulverizações sobre as plantas, de preferência, no final da tarde, porque as temperaturas ficam mais amenas.

Fumo de rolo (Nicotiana tabacum)

● Ingredientes: - 50 g de fumo de rolo picado; - 250 mL de álcool.

Modo de preparo: Adicionar 50 g de fumo de rolo picado em 250 mL (1/4 de litro) de álcool e deixar por 24 horas em descanso. Após, coar em gaze e guardar o extrato puro, para uso posterior.

Para fazer pulverizações foliares visando o controle de pulgões e lagartas é necessário diluir o extrato a 10% em água (100 mL de extrato puro em 1 litro de água). Para melhorar a ação do extrato, acrescentar 1% de detergente neutro (10 mL de detergente por litro de extrato diluído).

 

Profa. Alba Regina Pereira Rodrigues é do CEFET/Valença. Fonte: CREA-RJ. Defensivos Alternativos. Autora: FERNANDES, M.C.A.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...