Contra Ponto

Edição: 455 Publicado por: Fabricio Itaborai em 06/08/2015 as 11:41

 
Leitura sugerida

Andando pelas ruas da cidade fica fácil constatar o abandono. Pior é que ele vem refletindo na perda da identidade cultural. A Princesinha da Serra guarda poucos traços de seus momentos de glória, pouco a pouco nossa história vem se apagando. Os mais jovens já não identificam a antiga estação de trem. O Jardim de Baixo, hoje serve apenas como criadouro de mosquito, o teatro está em escombros, aliás, mesmo destino do Hospital Geral que se encontra escondido atrás dos tapumes para esconder o absurdo de sua destruição.

O Casarão em ruínas, na rua Padre Luna, é um símbolo dos anos de abandono. Na mesma rua, ponto nobre para comerciantes, temos quase ou mais de uma dúzia de lojas fechadas, algumas já fazendo aniversário. As famílias ricas da cidade, donas dos prédios do centro, preferem deixá-los vazios a ver o aluguel baixar.

Toda essa decadência afeta a população que parece não acreditar em dias melhores. Também pudera, pois, os antigos Barões deram lugar aos políticos que trazem o povo em rédeas curtas. Não existe emprego que não passe pelas mãos dos “donos da Cidade”, vereadores empregam seus parentes, cabos eleitorais e apadrinhados na Prefeitura de forma direta ou indireta. Contratos vergonhosos com cooperativas, Cruz Vermelha, nomeações e mais nomeações se multiplicam pela cidade...

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes. Assine já e tenha acesso ao conteúdo na íntegra!

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...