Julho, esquentando?

Edição: 554 Publicado por: Marilda Vivas em 12/07/2017 as 13:55

 
Leitura sugerida

Rei das gafes

Ao comentar sobre as reuniões com líderes mundiais durante a viagem que fez à Alemanha, o peemedebista Michel Temer soltou a seguinte pérola: “Cada país fez um relato daquilo que está fazendo no seu país, como eu pude fazer um relato daquilo que nós estamos fazendo no Brasil, gerando, exatamente, inflação baixa, reduzindo os juros, fazendo voltar o desemprego, e combatendo a recessão”. Enfim, uma gravação que não precisa ser periciada.

Não mentiu 

No primeiro trimestre de 2017, a taxa de desemprego, que calcula o número de desocupados em relação à população com idade de trabalhar, subiu de 11,2% para 13,6% no período. A pior taxa para um trimestre encerrado em abril, desde o início desse tipo de pesquisa, em 2012.  

Profético

Ateando fogo às próprias vestes, Temer disse confiar plenamente na lealdade do deputado Rodrigo Maia. Disse por dizer. Mais que qualquer outro, sabe que Maia, o Botafogo nas planilhas da Odebrecht, não está quieto e que não há cura para isso. Lula chegou a falar que Maia, estaria se preparando para ser o próximo presidente e que os petistas não poderiam achar “que um golpista é melhor do que outro.” Nem os petistas, nem ninguém, meu caro! E os motivos, que não se esgotam no popular “São todos farinha do mesmo saco”, têm raízes bem mais profundas. Não há grandeza entre traidores. E para isso, também não existe cura.

Baú de maldades

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF) abriu um inquérito civil para investigar chamadas publicitárias em defesa da reforma da Previdência, veiculada nos intervalos de programação do SBT. Nas chamadas, a emissora fazia uma campanha terrorista em que questionava: “Você sabe que se não for feita a Reforma Trabalhista, você pode deixar de receber o seu salário?” e “Você sabe que o Brasil quebra, se não aprovar a nova lei da Previdência?”.

De acordo com a procuradora Renata Coelho, responsável pelo inquérito, as chamadas veiculadas tratam-se “de propaganda possivelmente sem base fática ou documental, que não exprimiria opinião, mas sim afirmativa que sem a aprovação das reformas o país estará quebrado e o trabalhador ficaria sem salário”.

Detalhes

O “terrorismo”, que teve início um dia após Silvio Santos jantar com Michel Temer, chega ao fim com a assinatura de um Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC), pela emissora. Agora, se quiser tratar sobre o assunto, o SBT, que é uma concessão pública, terá que veicular mensagens educativas sobre a reforma trabalhista proposta pelo governo Temer. Caso o SBT descumpra o acordo, poderá pagar multa de R$ 10 mil por veiculação, penalidade que será revertida ao Fundo de Amparo ao Trabalhador ou a outro fundo ou instituição semelhante, a critério do Ministério.

Abalizado

Para Luís Eduardo Soares Fontenelle, juiz do Trabalho da 17ª Região (ES), a reforma trabalhista hoje no Congresso interessa apenas a poucos e poderosos grupos político-econômicos, sem compromisso real com o país., até mesmo sob o ponto de vista dos pequenos empresários:

1- Atrapalha o crescimento econômico;

2- Precariza e não cria, ao contrário, suprime empregos;

3- Reduz a produtividade;

4- Potencializa, ao invés de pacificar conflitos.

Portanto, tanto trabalhadores quanto pequenos empresários, deliberadamente intrigados entre si, estão sendo vítimas de um gigantesco engodo. O inimigo comum de ambos é o processo de “financeirização” da economia. A supremacia de bancos e especuladores sobre o setor produtivo. Juros mais baixos. Câmbio mais favorável. Tributação leve e simplificada. Essa é a verdadeira agenda dos micro e pequenos empresários, afirma o magistrado.

 

Frentistas

A profissão de frentista surgiu em 1912, quando empresas petrolíferas começaram a exportar para o Brasil gasolina e querosene em latas e tambores. Os poucos veículos em circulação na época, cerca de 2.400, todos importados da Europa, eram abastecidos por meio de funis. A gasolina chegava às garagens dos automóveis no lombo de burros. A primeira bomba de gasolina no país foi instalada no Rio de Janeiro, em 1921, na calçada, junto ao meio-fio. A partir daí, os postos de revenda começaram a crescer na mesma proporção que o número de veículos.

Apesar de a atividade existir desde 1912, as várias funções exercidas nos postos de combustíveis ainda não estão agrupadas em uma mesma família na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), que retrata a realidade das profissões do mercado de trabalho brasileiro. Para reestruturar e organizar as diversas atividades exercidas pela categoria, a Federação Nacional dos Frentistas (Fenepospetro) elabora um projeto que será encaminhado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e que vai valorizar e delimitar a função realizada por empregado nos postos de combustíveis. (Via Fenepospetro).

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...