Project CARS 2 não é para amadores, mas bem que tenta

Edição: 570 Publicado por: Marcelo Iglesias em 01/11/2017 as 14:55

 
Leitura sugerida

Desde o início do ano que a expectativa para as produções de corrida anda em alta. “Gran Turismo Sport” e “Forza Motorsport 7” eram esperados como os grandes exclusivos do segmento. O primeiro representava a estreia da franquia no PS4 e o segundo será o jogo que testará o poder de fogo do Xbox One X, que chega no fim de novembro. No entanto, foi “Project CARS 2” que encontrou uma brecha na pista e ultrapassou os medalhões, estreando em setembro. O título da britânica Slightly Mad Studios, com distribuição pela Bandai Namco, chega ao segundo game com melhorias em todos os quesitos – do visual à jogabilidade.

Entre os jogos de corrida, “Project CARS 2” é o que mais se aproxima dos simuladores barra pesada para computadores. Nele é possível ajustar todos os parâmetros de condução de um carro com altíssimo nível de precisão. Além disso, oferece uma condução que beira a realidade, onde a física é reproduzida de forma implacável.

Jogar “Project CARS 2” demanda dedicação, paciência e resignação. Com todos os parâmetros de realismo uma corrida pode terminar na primeira curva. Para quem é fã, vale a pena investir em volante, pedaleira e todas as tranqueiras que podem comprometer qualquer matrimônio, mas garantir a diversão.

No entanto, os produtores britânicos viram que era possível tornar o game mais atrativo a um perfil de público que não fosse tão familiarizado com games realistas e aplicou ferramentas que tornavam a condução mais simples. Afinal, “Project CARS 2” é o único dos três jogos que oferece edições para PC, PS4 e Xbox One e Bandai não deixaria essa vantagem morrer no banco de areia.

Visual de “Project CARS 2”

O jogo oferece gráficos excelentes em qualquer uma das versões. Testamos a edição para Xbox One e a qualidade agradou muito, mesmo que não se compare com a qualidade que se pode obter num PC de alto desempenho. Mesmo assim, é possível perceber com riquezas detalhes como gases de escape, chamas e demais caprichos.

Na edição para PS4, muita gente reclamou de bugs de física, carros transparentes ou a possibilidade de atravessar um adversário como se fosse um fantasma nas partidas on-line. A produtora já soltou alguns patches de correção, mas de uma forma geral, são falhas que não desabonam o game.

Garagem

O game da Slightly Mad Studios não tem a mesma garagem que “Forza 7”, mas tem uma seleção primorosa com os principais bólidos de corrida, seja de Turismo, Fórmula ou Protótipo. Máquinas como Porsche 911 GT1, Lotus Renault 98T, Mercedes AMG GT3, Ferrari 488 GTE, Audi R18 E-Tron Quattro e até mesmo um Ford GT 40 Mark IV. Ao todo são 180 carros que podem ser experimentados a qualquer momento, sem a necessidade de desbloqueio ou compra.

On-line e carreira solo

Uma das grandes críticas disparadas contra “Gran Turismo Sport” foi sua mudança de foco, dando prioridade para partidas on-line, relegando um histórico de duas décadas de campanha solo. “Project CARS 2” por sua vez faz um bem bolado entre as disputas em rede e as competições solitárias. Assim como no primeiro título da série, o jogador pode iniciar sua carreira de piloto galgando categorias. O que muda é que aquele quadro com e-mails e noticiários foi eliminado. Não interfere no game, mas era um tanto divertido fantasiar uma vida de piloto badalado.

Veredito

“Project CARS 2” revela uma grande evolução em relação ao primeiro título (que já era excelente). O game se tornou mais amigável para jogadores que não possuem intimidades com títulos, que busca uma experiência mais próxima da simulação, com os ajustes de condução. Visualmente o game dá um belo show e mesmo que tenha chegado com bugs de física e gráficos, o título é uma das melhores opções do mercado para quem busca um game de corridas desafiador.

Galeria de imagens

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...