Ninguém supera crise destruindo o que funciona: viva o Instituto de Educação

Edição: 574 Publicado por: Paulo Roberto Figueira Leal em 29/11/2017 as 08:37

 
Leitura sugerida

O Estado do Rio tem, neste momento, os três últimos ex-governadores na prisão. Se lembrarmos que, além deles, ainda estão politicamente ativos o ex-governador Moreira Franco (multi-denunciado e atual ministro de Temer, o que lhe garante foro privilegiado) e o atual governador Pezão (igualmente multi-denunciado, e que participou dos governos dos três que estão presos), é razoável pensar há boas chances de que, em algum momento, a população carcerária de ex-governadores possa crescer.

Administrações irresponsáveis, para dizer o mínimo; sistemática humilhação de servidores; crise de violência sem precedentes. Diante disso, a gente pode ter a falsa sensação de que não dá para piorar, não é mesmo? Infelizmente dá... Basta ver a sanha do Estado, em parceira com prefeituras açodadas, em destroçar o sistema estadual de educação com municipalizações sem diálogo com as comunidades escolares, malfeitas, desinteressadas de um verdadeiro debate sobre a qualidade da educação.

A vítima da vez, em Valença, é meu querido Instituto de Educação Deputado Luiz Pinto, do qual tenho maior orgulho de ter sido aluno do Pré-Primário até o fim do Ensino Médio. A tentativa de empurrar goela abaixo da comunidade uma municipalização definida apenas nos gabinetes do poder encontrou, por parte dos professores e alunos do Instituto, a única resposta possível: resistência. A boa novidade da semana passada – uma liminar na Justiça que paralisou o processo – foi uma vitória não do Instituto, mas de Valença.

Gerações e gerações de valencianos lá se formaram, uma história de excelência e sucesso educacional se construiu por décadas e, nesse momento triste para o Estado do Rio, o que nossos dirigentes pretendiam? Esquartejar essa escola numa municipalização sem debate, destruir a cultura organizacional que lá se forjou por anos a fio e fazer cessar, sem diálogo adequado, uma história construída por tanta gente boa que por lá passou e que lá está. Não, não é tão fácil... Obrigado, professores e alunos do IEDLP, por aumentarem, com a luta de vocês, ainda mais meu orgulho de ter me formado aí.

Paulo Roberto Figueira Leal, professor da UFJF

1 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...
avatar

Cristina em 29/11/2017 às 16:57 disse:

Excelente texto!
responder O comentário não representa a opinião do jornal! A responsabilidade é do autor da mensagem!
avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...