Vamos falar um pouco de veículos – também!

Edição: 579 Publicado por: Ney Fernandes em 10/01/2018 as 09:08

 
Leitura sugerida

Vivemos algum tempo ou, por que não dizer, muito tempo, alheio às coisas que acontecem, em nosso País, talvez por culpa nossa, por não interessarmos por tudo que vem acontecendo, ou achamos que não é problema nosso e deixamos correr, esperando que a solução venha do céu. Entrega pra Deus, que ele resolve tudo! Não resolve! Ele também cansa, diante de tanta inércia. Ou nós tomamos consciência de nossos direitos e lutamos por eles. Lutar mesmo, ou não vamos deixar nenhum legado, para as gerações que estão chegando. A que continuamos assistindo ao longo de todos esses anos? Prioridade para o grande capital, inclusive para o capital internacional; acúmulo de riquezas, aumento da miséria, a fome se alastrando, a saúde e a educação desmoronando, e tudo mais que conhecemos e nada fazemos. Na verdade, não sabemos de nada e vamos continuar vendo que não existe transparência em nada que diz respeito aos interesses do povo brasileiro. Então podemos observar, com muita clareza, sobre o que se passa. Você lê uma revista que tem compromisso com a realidade brasileira, lê livros de autores responsáveis, e também com os nossos interesses e outros materiais que explicam toda verdade, lê daqui, aprende dali e ficamos tirando nossas conclusões. Por exemplo: concluímos então, que, não há país relevante, desenvolvido ou em desenvolvimento, bem-sucedido – sem fábrica, tecnologia e marca nacional de veículos. Podemos verificar que, se não estivermos seguros com nossos objetivos, o que vemos é que se dermos mais um passo rumo ao completo desmonte do Estado brasileiro, como o petróleo, inclusive o pré-sal que essa administração já entregou às empresas estrangeiras e a preço de banana. E o tal de Congresso? Aonde anda!, que não pode e nem deve permitir, passivamente, mais essa etapa do leilão das riquezas brasileiras.

Falamos de uma fábrica de automóveis (nossa), pois essas fábricas de automóveis multinacionais que vêm para o Brasil, não têm vocação alguma para deixar o dinheiro aqui. O que elas querem é fazer um investimento, relativamente pequeno, a maior parte com dinheiro do governo (nosso). E depois levam trinta, quarenta vezes do dinheiro que investiram. Só empobrecem o país, mergulhamos às vezes em temas complexos mas temos plena consciência de que algo tem que ser feito pelo povo; não esperando por nenhum desses órgãos do governo que nunca estiveram comprometidos com nada que diz respeito aos interesses nacionais. Só fazem entregar nosso patrimônio aos interesses americanos.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...