Os PPPs, as penitenciárias e os PMs mortos

Edição: 579 Publicado por: Marcelo A. Reis em 10/01/2018 as 09:22

 
Leitura sugerida

Caro leitor;

Você, sempre comigo, fazendo as nossas reflexões, sabe o que são PPPs. Aos recém-chegados traduzo: Pretos, Pardos e Pobres. A população que entra na fila para matricular os filhos em escolas, em mau estado de conservação e com péssima qualidade de ensino, que faz um exame médico por estar com uma doença grave e tem a cirurgia urgente marcada para daqui a um, dois ou mais anos... Estes são os PPPs! A nossa sofrida população própria. Condenada à morte diariamente.

As penitenciárias, em todos os estados, no Amazonas, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio, Goiás, estão superlotadas, os presos doentes, a violência correndo solta, revoltas, rebeliões, mortes...

No Rio de Janeiro mais de cento e vinte e cinco PMs mortos, assassinados...

A verdade é que são todos elos de uma mesma corrente. Os (des) “governichos” nada fazem! E assim não agem porque a população carcerária é na sua quase totalidade composta de PPPs. Os soldados de Polícia são basicamente PPPs...

Reparem, à medida em que prisioneiros de maior relevância econômica e social são recolhidos, as cadeias passam por reformas. Reproduz o enorme fosso social também no Sistema Carcerário. Cadeia de bacanas e a dos “ferrados”! É o caso de Benfica, no Rio, reformada para receber o ex-governador e os (ainda) deputados. Não advogo a prisão dos meliantes ricos tenha que ser nas condições desumanas que vigoram em todo o Brasil. Ao contrário. Imagino sim todos os presos cumprindo as suas penas com um mínimo de dignidade. Sou a favor de penas mais duras, até mesmo que a redução da maioridade penal seja discutida e analisada de forma serena e equilibrada. O que não podemos é avançar a visão cruel e escravocrata da sociedade brasileira. Em qualquer conversa, nos círculos médios e altos, predomina a visão de eliminação física de PPPs.

Por outro lado, nos setores, ditos, intelectuais, predomina a ilusão de que tudo deva ser relevado, aos PPPs, por serem vítimas de injustiças sociais históricas... É verdade, mas não significa manter impunes os atos antissociais. 

A nossa classe dominante imagina (com razão!) tudo poder. Reparem, sem discutir o mérito, que “temer”(sempre em minúsculas) nomeia para a pasta do Trabalho uma deputada com problemas que não a recomendariam para tal. Sendo leniente, há que dizer que poderia exercer qualquer cargo, mas ministro do Trabalho?! 

O governador de Minas coloca, como chefe do Detran (MG), um delegado de Polícia, um “louco do volante”... Tem uma pontuação negativa que deveria estar com a habilitação suspensa e fazendo “cursinho” de reciclagem. A citada autoridade policial, com uma conversa fiada, diz que determinara a abertura de processo administrativo contra ele mesmo...

É tudo igual no desprezo. Morram os PPPs, por falta de médicos/remédios nos hospitais, mas garanta-se à quase totalidade dos meritíssimos receberem, por meio de chicanas e gambiarras jurídicas, acima do teto constitucional.  

Adriana Anselmo, não apenas beneficiária, mas uma das lideranças do esquemão do MDB fluminense comandado pelo seu marido, o ex-governador Serginho Cabral, consegue as benesses da lei para ir para casa “cuidar” dos filhos; dizem que o fato relevante foi estarem as crianças sem o pai e sem ela em casa. 

As PPPs presas nas prisões de pobre que se danem... Não tem pai, nem mãe e não tem futuro digno! E menos ainda o Gilmar...

É hora de, a sério, implantarmos, e mantermos por longo prazo, um Programa de CIEPs - “Brizolões”, para Educação Pública de Qualidade em Tempo Integral. Dinheiro existe! Basta a vontade política de fazer. Claro que sem a malta que assumiu e domina o governo brasileiro em Brasília e em todos os estados da Federação.

É hora de as pessoas de bem se unirem. É o momento de, acima de diferenças menores, consertarmos em um programa de superação e recuperação do futuro...

Precisamos poder voltar a sonhar e acreditar...

Do jeito que está a explosão do Brasil é uma questão de tempo...

Até a próxima.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...