Escravos de Jó

Edição: 585 Publicado por: Marilda Vivas em 21/02/2018 as 07:56

 
Leitura sugerida

Não há como calar

Pouco afeita à folia de Momo (não nasci com o espírito de foliã), aproveito o feriado do seu reinado para ficar em casa, colocando em dia leituras, filmes e, até mesmo, uma maior proximidade com o fogão. E sei que não estou sozinha nessa. Muitos são os que não embarcam na ideia de que o Brasil é o país do Carnaval. Aliás, o Brasil é tanta coisa fabricada que está difícil depurar.

 

Sarcasmo?

“Momo era a entidade que personificava o sarcasmo no mundo antigo. Hoje é o rei do carnaval, época de inversão do mundo. Fiel ao soberano da festa, a Beija Flor atacou tudo. O enredo vitorioso era sobre corrupção e desvios éticos: “Monstro É Aquele Que Não Sabe Amar (Os Filhos Abandonados da Pátria Que Os Pariu)”. O presidente de honra da escola é Aniz Abrahão David, o Anízio, envolvido no jogo do bicho, condenado mais de uma vez pela justiça e respondendo a vários processos em liberdade. Sarcasmo de Momo? O samba dizia: “Ganância veste terno e gravata Onde a esperança sucumbiu Vejo a liberdade aprisionada Teu livro eu não sei ler, Brasil!”. Muitas vezes também não sei lei o livro do Brasil. Viva Momo! Que nos console o sarcasmo. Começou a quaresma do real.” (Leandro Karnal via Facebook - 15/02).

 

Não melou

Não cobrem da Escola de Samba Paraiso da Tuiuti aquilo que não lhe compete: a luta política. A Tuiuti já fez muito e fez bem.  Conforme observado, sua rendição, às vésperas do desfile das campeãs sinaliza com propriedade a intensidade da represão que se aproxima.

 

Giordano Bruno (1548-1600)

É oportuno lembrar que em 17 de fevereiro de 1600, o Papa Clemente VIII condenou e executou sua morte em nome da Santa Inquisição, por acreditar que a Terra girava em torno de si, em pleno acordo com a teoria de Copérnico sobre o movimento heliocêntrico da Terra.

Pela mesma razão, Galileu Galilei (15 de fevereiro 1564 - 8 de janeiro 1642) sofreu uma das condenações mais emblemáticas do Santo Ofício em função de dados que só mais tarde foram definitivamente reconhecidos.

 

O filme

A dica tem origem nos dias de ócio vividos em pleno reinado de Momo: Giordano Bruno (1973). Direção: Giuliano Montaldo. Ator principal: Gian Maria Volonté. Música original: Ennio Morricone. 114 minutos. Disponível em: https://inricristo.org.br/filme-giordano-bruno-1973/.

 

A intervenção

Em nota pública divulgada na última segunda-feira (19), a Associação dos Juízes pela Democracia (AJD) repudiou o decreto de intervenção militar no Rio de janeiro. Para a entidade a intervenção não resolveria a grave situação do estado por ser uma “medida autoritária, de ruptura definitiva com o cambaleante Estado Democrático de Direito”. Embora o peso da Associação, a suspensão do decreto e sua rejeição pelo Congresso Nacional não aconteceu. Nesse mesmo dia, a reforma da Previdência saiu de pauta. Para compensar, Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Câmara Federal de deputados, anunciou uma agenda com até 16 projetos na área econômica que serão votados no Legislativo ainda este ano.  O que vem por aí, ninguém sabe ao certo. E tinha que torcer logo pelo Botafogo? Não me conformo. 

 

Cantiga

“Escravos de Jó, jogavam caxangá...”

Cantiga de roda enraizada na história do país. 

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...