Direto e assertivo

Edição: 596 Publicado por: Marilda Vivas em 09/05/2018 as 07:58

 
Leitura sugerida

O pré-candidato à presidência da República, Guilherme Boulos (PSOL/PCB), não se deixou intimidar, nem um pouquinho, durante a entrevista concedida ao programa Roda Viva (TV Cultura) na última segunda-feira (7).

Se a ideia era expor as esquerdas ao ridículo ou qualquer um que ouse pensar o país diferente, o tiro não encontrou seu alvo. Ao contrário, demonstrando desenvoltura e clareza, o Líder do MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto falou de suas estratégias para enfrentar os problemas do país, e não poucos, convenhamos.  

Não sei quantos outros candidatos terão a coragem de defender o aborto como tema de saúde pública, por exemplo. Ou de dar nomes aos bois quando argumenta que “Hoje quem tem um carro paga IPVA. Quem tem um jatinho, um helicóptero ou um iate, não paga nem R$ 1 de imposto no Brasil.” Ou demonstrar, cabalmente, que a escravidão não foi superada no país e, ainda, que fará, como primeira medida, caso seja eleito, um plebiscito para revogar ou não as reformas de Temer.

 

Outro ponto

Sobre o tema da moradia e das ocupações, Boulos fez a seguinte colocação: “Ninguém ocupa porque quer. O drama que leva à ocupação por moradia é a falta de alternativa entre pagar aluguel e colocar comida na boca. E tem mais casa sem gente que gente sem casa no Brasil, segundo o IBGE. É preciso criar uma outra lógica de cidade”.

Dezessete anos depois e o Estatuto da Cidade, que prevê a função social da propriedade, ainda não saiu do papel, efetivamente.

 

Destaques

Ponto alto da entrevista, o embate travado com o entrevistador Rubens Figueiredo, cientista político, merece um registro à parte, em especial quando pergunta ao entrevistado “Quais são as classes sociais do Brasil?” Onde ele estudou, não sei. Mas, tenho clareza de que qualquer cidadão de segunda, terceira, quarta e quinta categoria não teria nenhuma dificuldade em responder.

Em um outro momento, esse mesmo entrevistador sugeriu que foram os próprios eleitores de Dilma Rousseff que colocaram Temer na presidência e que, agora, sob a batuta de Temer o país está se recuperando e menciona que o PIB brasileiro cresceu 1% no ano passado.

Direto e assertivo, suas respostas foram definitivas: “Vamos combinar, ninguém vota em vice”; “Hoje o Brasil cresce 1%. Na época da Dilma, vocês analistas chamavam isso de pibinho, hoje chamam de pibão”, pontuou. “Pergunta para o trabalhador que está em casa se o país está crescendo”, completou.

 

Aborto x escravidão

Em resposta à pergunta da historiadora Mariéla de Almeida, que questionou o candidato sobre políticas para negros, mulheres e LGBTs, Boulos, além de defender o aborto, disse que o Brasil “não superou a escravidão”.

Segundo ele, “A média salarial dos negros e negras é metade da dos brancos. Isso é herança da escravidão. Quando se trata das mulheres negras é ainda mais grave. Nós vamos dar resposta a isso com políticas. No caso das mulheres, com políticas de defesa dos direitos, equiparação salarial. E direitos também no sentido de as mulheres decidirem sobre seu próprio corpo. É um tema que tem que ser colocado. Não temos que ter medo de tratar isso como saúde pública”, disse.

 

Terrinha nossa de cada dia

Onde andam os profissionais calceteiros? As obras da Cedae, nas ruas Dr. Figueiredo e Aparecida, estão deixando atrás de si um rastro de lombadas e depressões que desafiam, a qualquer um, entender a causas que levam o poder público a ignorar e não exigir, minimamente, que as pedras voltem todas aos seus lugares de origem.

Não são poucas as reclamações. A indignação já começa a tomar conta das redes sociais.  Com razão, tacam o pau nos serviços executados.  Se por um lado, os transeuntes não se sentem seguros em transitar por inúmeras calçadas, os motoristas e seus carangos maravilhosos também não estão se sentido bem ao circular nas ruas.  

Onde andam os profissionais calceteiros? Onde estão que não respondem?

Como poeticamente asseguram nossos patrícios portugueses, a rua é uma grande calçada por onde passa todo mundo.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...