Assédio publicitário

Edição: 599 Publicado por: Kreitlon Pereira em 30/05/2018 as 14:31

 
Leitura sugerida

Um dos filmes mais premiados da temporada, “Três Anúncios para um Crime” está no catálogo do Looke, Vivo, Net, Claro HDTV, Oi Play e Smart VDO

Já está disponível para aluguel em pré-lançamento nas plataformas de streaming Looke, Vivo, Net, Claro HDTV, Oi Play e SmartVOD, o filme “Três Anúncios para um Crime”. Um dos grandes destaques da temporada de premiações de 2018, levou as estatuetas do Oscar de Melhor Atriz e Melhor Ator Coadjuvante. E foi agraciado também em diversos outros eventos, como o Globo de Ouro e o BAFTA.

A história tem como pano de fundo a fictícia cidade de Ebbing, Missouri. Como é comum acontecer em pequenos povoados, todos se conhecem e a vida dos outros é sempre assunto de fofoca. Um dia, Mildred Hayles (Frances McDormand), mãe em luto pela morte da filha assassinada há sete meses, se cansa de só esperar que a polícia descubra o culpado dessa atrocidade. Com isso, resolve adotar métodos nada convencionais para provocar a polícia local – e aluga três outdoors para isso.

Os anúncios estão localizados, não por acaso, em uma entrada alternativa da cidade. Eles comunicam, em frases curtas, que sua filha foi assassinada e estuprada. Além disso, questiona a polícia e, mais diretamente, o xerife Willoughby (Woody Harrelson) por sua falta de eficiência para resolver o caso. Ao mesmo tempo em que a busca desesperada por justiça pode justificar alguns excessos cometidos pela mãe, a posição do xerife, muito querido pela comunidade, leva os espectadores a questionar quem está com a razão. O filme busca por uma reflexão acerca dos efeitos das ações individuais na coletividade.

A direção ficou a cargo de Martin McDonagh, assim como o roteiro e a produção. A trama é repleta de humor negro e drama, abordando temas como racismo, machismo e abuso doméstico. O elenco que dá vida à história foi muito elogiado pela crítica e tem como principais nomes Frances McDormand, Woody Harrelson e Sam Rockwel.

 

Resquícios de uma tragédia

“13 de Novembro – Terror em Paris” estreia na Netflix para contar os atentados que chocaram o mundo em 2015

Paris, noite de 13 de novembro de 2015. França e Alemanha jogavam um amistoso no Stade de France e as ruas parisienses estavam lotadas, como de hábito. Seria mais uma sexta-feira rotineira na capital francesa. Entretanto, essa data foi marcada como uma das mais trágicas da história do país. Três explosões e seis fuzilamentos simultâneos em cinco locais distintos resultaram em mais de 180 mortes, o maior número já registrado na França desde a Segunda Guerra Mundial. Para ajudar a contar essa tragédia, a Netflix reuniu mais de quarenta testemunhas e montou o documentário em três episódios “13 de Novembro – Terror em Paris”, que estreia na plataforma dia primeiro de junho.

Dentre os atentados, todos creditados ao grupo Estado Islâmico, o que mais gerou fatalidades foi na casa de shows Bataclan, onde os terroristas entraram munidos de metralhadoras e executaram cerca de noventa pessoas. A situação permaneceu caótica no local por cerca de três horas, até a polícia declará-lo como seguro. Apesar de terem vencido a Alemanha no futebol, o dia 13 de novembro de 2015 não será lembrado como um dia de vitória para os franceses. A data será sempre marcada pelas centenas de mortos e feridos, além das incontáveis pessoas afetadas indiretamente pelos ataques. Delas, quarenta em especial decidiram reviver as memórias do trauma para conscientizar o espectador do que ocorreu em um dos dias mais sombrios dessa década.

Curiosamente, Jules e Gédéon Naudet, os diretores, ganharam fama por produzirem um documentário sobre o maior atentado da História: o de 11 de setembro de 2001. Os irmãos estavam em uma filmagem sobre o Corpo de Bombeiros de Nova Iorque nos dias da destruição das Torres Gêmeas, e acompanharam de perto o trabalho desses profissionais, muitos dos quais morreram naquele fatídico dia. “13 de Novembro – Terror em Paris” não pretende somente ajudar a elucidar os fatos ocorridos, mas também criar uma proximidade entre as testemunhas e o espectador – característica fundamental em um bom documentário.

 

A lógica da paixão

“Are You Human Too?”, a nova atração do DramaFever, conta a história de amor entre um robô e uma humana

O que torna o homem verdadeiramente humano? Seria o sangue correndo em suas veias ou os sentimentos que ditam suas ações? É nesse contexto que se passa a mais nova produção do DramaFever, “Are You Human Too?”. Com estreia datada para 4 de junho, a série foi produzida pela KBS (Korean Broadcasting System), emissora estatal de rádio e televisão da Coreia do Sul, e custou mais de 10 bilhões de wons, o equivalente a US$ 9.2 milhões. Grande parte do generoso orçamento foi gasto durante a edição dos 18 episódios, que fez amplo uso de efeitos especiais para transformar a tecnologia da ficção em realidade.

O drama acompanha a história de Nam Shin (Seo Kang Joon, de “Cheese in the Trap”) o charmoso e ambicioso herdeiro do grupo PK que um dia sofre um acidente suspeito e entra em coma. Para proteger o filho e sua posição na empresa de pessoas como Seo Jong Gil (Yoo Oh Sung de “Uncontrollably Fond”), Oh Ro Ra (Kim Sung Ryung de “Heirs”) escala um grupo de cientistas especializados em inteligência artificial para projetar um androide. Assim nasce Nam Shin III, um robô desenvolvido para substituir sua versão humana e desmascarar a conspiração que visa tirá-lo do poder. No entanto, estas questões não são a prioridade para o autômato que, mesmo sem ter um coração, se vê apaixonado por Kang So Bong (Gong Seung Yeon, de “Two Worlds Connected”), sua guarda-costas.

“Are You Human Too?” foi escrito por Jo Jung Joo (de “The Princess’s Man”) e conta com direção de Cha Young Hoon (de “Uncontrollably Fond”). No Brasil será disponibilizado pelo DramaFever, um canal de streaming que, desde 2009 oferece filmes, séries e documentários asiáticos para crescente demanda mundial. O site disponibiliza alguns episódios de graça, mas com US$ 17,99 ao ano é possível adquirir a assinatura Premium e ter acesso ilimitado aos mais de quatrocentos dramas de seu catálogo, todos legendados em português pela própria equipe.

Galeria de imagens

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...