Deve explicações

Edição: 638 Publicado por: Marilda Vivas em 13/03/2019 as 08:20

 
Leitura sugerida

Na mira do Ministério Público, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves terá que explicar o desmonte de conselhos de Direitos Humanos, referentes às seguintes instâncias colegiadas: Conselho Nacional de Promoção de Igualdade Racial, Conselho Nacional de Combate à Discriminação, Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho Nacional do Direitos da Pessoa Idosa, Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, Conselho Nacional dos Povos e Comunidades Tradicionais, Conselho Nacional de Política Indigenista, Conselho Nacional Nacional dos Direitos da Mulher, Conselho Nacional da Juventude, Comissão de Anistia e o Comitê Nacional de Respeito à Diversidade Religiosa. (10/03/2019; jornalggn.com.br/política)  

 

Plágio interno

Como se não bastasse, Damares Alves, está sendo acusada de copiar o programa “Mãos EmPENHAdas Contra a Violência”, criado em 2017 pela juíza Jacqueline Machado, Titular da 3ª Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, de Mato Grosso do Sul.

Quem denunciou abertamente essa possibilidade, através do seu perfil no Facebook, foi o juiz José Henrique Kaster Franco ao tomar conhecimento da campanha “Salve Uma Mulher” lançada durante solenidade de assinatura de acordo técnico entre a pasta chefiada por Damares e o Ministério da Justiça e da Segurança Pública, de Sérgio Moro (08/3).

“Processa que é plágio. Impeachment na plagiadora! Plágio descarado. Este programa se chama ‘Mãos EmPENHAdas Contra a Violência’ e é obra de minha colega Jacqueline Machado, que o implantou, há anos, no Mato Grosso do Sul”, afirmou o magistrado.

“A ‘nacionalização’ do programa, mudando para esse nome ridículo, não só inventa um parto de quem já está na infância, mas cheira muito falso, vindo de quem não entende patavinas, tampouco acredita, no que faz”, finalizou o juiz em seu desabafo.

Mais comedida, a juíza Jacqueline Machado afirmou que o projeto é complexo, portanto há que se ter cautela quando se fala em plágio, embora tenha havido um contato entre assessoria nacional da pasta que cuida dos direitos da mulher e a coordenadoria estadual, mas que nada foi definido de forma oficial. “Eu informei sobre o protocolo e sobre a necessidade de se solicitar a replicação, mas eu não tive este pedido formal”, concluiu a magistrada. (www.novanews.com.br/noticias)

 

Plágio externo

Apoiadores e correligionários do governo federal lançaram mão da imagem que simboliza a Revolução Mexicana para ilustrar a campanha “Hino sim”, nas escolas brasileiras. A pintura original (La Pátria - 1942), do cartunista mexicano e comunista Jesus Helquera, retrata uma mulher segurando uma bandeira mexicana em uma das mãos e, na outra, a mão de um menino. Na versão brasileira a bandeira mexicana foi substituida pela do Brasil.

Saia justa daqui e dali, a descoberta contribuiu para engrossar o caldo da polêmica envolvendo a pasta do ministro da Educação, Vélez Rodrigues, sobre o pedido de gravação e divulgação de crianças, o que é vetado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, cantando o hino nacional brasileiro em escolas públicas e privadas.

O plágio foi denunciado no Twitter na conta de bia@pseudoruiva_ ( www.brasil247.com/pt/247/brasil/386307...)

 

SUS x Einstein

O jornalista Reinaldo Azevedo critica em seu blog os gastos de R$ 400 mil decorrentes da internação e cirurgia a que se submeteu o presidente Jair Bolsonaro no hospital Albert Einstein (SP); ele recorda que em 2011, ao comentar sobre o câncer na laringe do ex-presidente Lula, o então “deputado não expressou solidariedade nenhuma e ainda esculhambou Lula, afirmando que ele deveria se tratar no SUS, não no Sírio-Libanês. E olhem que coisa: o petista não gastava dinheiro público para se tratar numa instituição de ponta”, recorda.  

De acordo com o jornalista, “Bolsonaro vive para se desmentir e para ver suas afirmações ser desmoralizadas pelos fatos. Mas não acho isso ruim. Ele falava e falava muita besteira”. “A história não tinha como lhe dar razão. Torço para que ponha fim às asneiras. Mas, tudo indica, isso não se dará tão cedo”.

A conta, só não foi salgada e meia porque os médicos abriram mão de seus honorários. (reinaldoazevedo.blogosfera.uol.com.br/2019/03/11/...)

 

Poder e vício

Em relação à possibilidade de o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, se dispor a revelar os bastidores que alimentaram seu vício, movido por um rasgo de consciência, face aos questionamentos que me fizeram, penso que essa possibilidade, por mais remota que possa parecer - e põe remota nisso -, é uma possibilidade. Como disse, não há como saber se Cabral transcendeu ou não sua individualidade. Contudo, entendo que, por mais louvável que seja sua atitude, isso não o torna santo nem faz dele um apóstolo convertido. Seus sonhos oníricos, seus jantares nababescos e suas danças não menos debochadas tiveram outro cenário que não a estrada de Damasco. Vidas ceifadas, consciências corrompidas, mazelas humanas aprofundadas... não há muito o que salvar.  

 

Serviços públicos

Foi providenciada a troca de lâmpada na rua Dr. Figueiredo, em frente ao nº 1270.

 

Marielle vive

14 de março. Há dois dias de completar um ano do assassinato da vereado Marielle Franco (PSol) e de seu motorista Anderson Gomes, a polícia civil prendeu na manhã de terça-feira (12) dois suspeitos de participarem desses crimes. Fechando a coluna semanal, tento imaginar o que vem por aí.

No dia de hoje, o PSol-Valença estará na rua dos Mineiros, a partir das 7 horas, construindo o “Amanhecer com Marielle Franco”, finalizando o ato às 17h30 horas, no mesmo local, com o evento “Ninguém solta a mão de ninguém”.

Relembrar e marcar as lutas de Marielle em defesa das mulheres, negros e Lgbt+s, das lutas por Direitos Humanos e pela defesa dos movimentos sociais e de populações socialmente vulneráveis será o tom das manifestações no Brasil e no exterior.

 

Através dos tempos

“O tempo não tem casa. E todo o tempo mora no tempo. Mas o tempo tem asas. Por isso o tempo voa.” (Frase encontrada em uma caverna africana).

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...