Final de ano

Edição: 676 Publicado por: Redação em 04/12/2019 as 10:44

 
Leitura sugerida

Com a proximidade do final do ano, começam, naturalmente, as análises e balanços de possíveis avanços e evoluções de vida e da Pátria. Neste 2019, a reflexão passa pelas conclusões do primeiro ano dos governos Bolsonaro e Witzel e pelo terceiro do municipal Luiz Fernando da Graça. É o ano que antecede uma nova eleição municipal, diga-se de passagem. Momento crucial, anterior a inflamável caça ao voto, que em nosso caso significará a aferição do tanto que se concorda, e o tanto que se discorda, da tocada do atual alcaide.

As redes sociais se ouriçam para provocar e tentar decifrar tais tendências e lá começam bate-bocas estéreis que só servem aos infelizes exporem infelicidades, incompreensões e grosserias que nada acrescentam a um produtivo debate ou simples de opiniões.

Não estamos surfando no desenvolvimento econômico, há muito tempo, e em todas as esferas de governo. A palavra crise se instalou no país desde meados de 2014 com tal contundência, que uma pequena melhora como a que estamos vivendo, atualmente, soa como alívio, diante ao que o país passou. Aos poucos e muito lentamente, é nítido, a economia reage na árdua tarefa diuturna de recompor as bases anteriores, destruídas pela política de interesses nada patrióticos.

Na base municipal, há insatisfações e frustrações, diante da aparente sensação de que nada melhora, mas a de ser justo com a evolução dos fatos. Economicamente ainda estamos em dificuldades e, certamente, estagnados diante do avassalador rol de necessidades. Embora o emprego ainda seja um tema relevante e pouco estável, a cidade segue se segurando e os empreendimentos vão se sucedendo. E enquanto o público vai se adequando, o institucional privado avança a olhos vistos. Nosso Centro de Ensino Superior transformou-se em Centro Universitário e vários novos cursos e empregos aportaram por aqui para suprir a nova demanda. A Associação Comercial e Industrial de Valença inaugurou sua nova sede e tomou à frente, na iniciativa de decorar e iluminar a cidade, para as festas de final de ano. Em outra frente, a Associação Balbina Fonseca permanece cuidando de sua escola, da assistência social e esmerando-se em seus projetos esportivos e culturais que atendem e dão atividade a centenas de jovens. A Unimed Marquês de Valença constrói um novo hospital. A Academia Valenciana de Letras, a Fundação Casa Lea Pentagna e a Sociedade Banda Progresso estão ativas proporcionando eventos e iniciativas de qualidade.

Em suma, podemos ainda não estar no patamar superior que gostaríamos ou que sempre idealizamos, mas é fato que tivemos suporte para aguentar o tranco e base para continuar perseguindo as melhorias que toda nossa população bem merece. Mas é preciso ter paciência e consciência que transformações demandam tempo e nem sempre são tão perceptíveis. É preciso averiguar com bom sendo.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...