São Sebastião do Rio Bonito

Edição: 679 Publicado por: Rodrigo Magalhães Teixeira em 08/01/2020 as 11:53

 
Leitura sugerida

Na disputa pelas férteis terras outrora habitadas pelos índios chamados de “Coroados do Rio Bonito”, no início do século 19, venceram dois destacados personagens nacionais, ambos muito próximos do Príncipe Regente e depois Rei do Brasil, D. João VI: Paulo Fernandes Vianna (Intendente Geral da Polícia) e Estevão Ribeiro de Resende (Marquês de Valença), que rapidamente fundaram duas grandiosas fazendas naquela porção territorial da recém-fundada Vila de Valença.

Por influência política desses dois cidadãos, em 1813 foi inaugurada a Estrada da Polícia, importante caminho que estrategicamente passava por suas respectivas sesmarias. Esse trajeto não só serviu para valorizar as propriedades desses abastados fazendeiros, como também atraiu para as proximidades de uma bela cachoeira situada naquela região do rio Bonito alguns posseiros e comerciantes que, com o tempo, erigiram no topo de uma colina uma singela capela dedicada à São Sebastião. Surgia ali um incipiente arraial, ao qual denominaram de São Sebastião do Rio Bonito, levando-se em consideração os nomes do santo padroeiro escolhido e do rio que corta o terreno em que se assentou, respectivamente.

O distrito foi oficialmente criado em 17 de novembro de 1855 (Lei Provincial 2.790). Em 1859 foi construída uma suntuosa igreja no lugar da antiga capela, uma nova e bela imagem do padroeiro foi trazida de Portugal e a Irmandade de São Sebastião do Rio Bonito foi constituída. Em 1868 foi criada uma “sub-delegacia de polícia na capela de São Sebastião do Rio Bonito, filial da freguesia de Nossa Senhora da Glória de Valença”. E, em 1886, criou-se um “distrito de paz” na localidade. A população havia majorado significativamente, principalmente devido à inauguração da “Estação Rio Bonito”, em 1880, uma das mais movimentadas paradas do trem que percorria o trecho da ferrovia que ligava Valença à “Rio Prêto”.

O distrito era composto administrativamente não só pela povoação sede, mas também pelos povoados de Santa Inácia, Coroas e Rio Prêto. A povoação chamada de Rio Prêto foi administrada pelas autoridades distritais de São Sebastião do Rio Bonito até 1924, quando então se desmembrou territorialmente da sede a qual pertencia para se tornar um distrito autônomo. Por essa razão, mantiveram o santo padroeiro e o novo distrito foi denominado justamente de “São Sebastião do Rio Prêto”, nome pelo qual por muitos anos foi oficialmente chamado o atual distrito de Parapeúna.

Em 1888 foi aprovada a proposta do vereador Dr. José Bernardino de Sena para que se reconstruísse o pequeno cemitério da Irmandade de São Sebastião; em 1890 foi aprovada a proposta do Intendente Manoel Antônio de Souza Alves para a instalação de doze lampiões a querosene, para iluminação pública, na sede do distrito; em 1895 foi a vez de aprovarem a canalização e distribuição de água potável naquela povoação, tendo sido colocado um chafariz na antiga Rua José Prota, em 1899. A iluminação pública, à eletricidade, foi contratada a Luiz Simões Corrêa, em 1921.

O antigo distrito de São Sebastião do Rio Bonito, em 1940, ainda contava com uma população de 4.209 habitantes, e já se chamava oficialmente Pentagna, a fim de prestar uma justa homenagem a um político valenciano (por força do decreto estadual de 15 de dezembro de 1938), não obstante o nome primitivo ser mais condizente com o território, a religião e a história do lugar.

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...