Clementina vive

Edição: 684 Publicado por: Marilda Vivas em 12/02/2020 as 10:36

 
Leitura sugerida

Sexta-feira, dia 7, foi dia de festa. A Arte ocupou a Praça da Bandeira para celebrar e louvar os 119 anos do nascimento de Clementina de Jesus. Quem ali compareceu vibrou com a capoeira do grupo Ubuntu e a doces referências ao saudoso Mestre Cid. Música entremeada de poesias foi o presente ofertado pelos integrantes do Sound Raiz, dos integrantes do Sarau de Solidões Coletivas e a apresentação de Bruna Myrrha e Gabriel Carvalho dando cor e som às sonoras vozes de Isabel Monteiro e Ana Vaz. Para completar, uma Lua, totalmente cheia, deu os ares da graça, valorizando a ocupação daquele espaço público e histórico.

Ao apoio logístico da Secretaria de Cultura vieram se somar a presença das tradicionais barraquinhas e a ampla divulgação deste semanário.

A iniciativa foi da Coletiva Feminista Clementinas. Entidade criada em 2018 por um grupo de mulheres comprometidas com debates envolvendo a problemática da mulher, no âmbito de uma sociedade em que a barbárie está em curso, a pleno vapor.     

O evento foi construído voluntariamente, tanto pela organização, quanto pelos expositores e artistas que ali se apresentam.

-.-.-.-.-

 

Solano Trindade – Poeta do Povo

(24/07/1908 – 19/02/1974)

 

Gravata Colorida

 

Quando eu tiver bastante pão

para meus filhos

para minha amada

pros meus amigos

e pros meus vizinhos

quando eu tiver

livros para ler

então eu comprarei

uma gravata colorida

larga

bonita

e darei um laço perfeito

e ficarei mostrando

a minha gravata colorida

a todos os que gostam

de gente engravatada…

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...